sexta-feira, novembro 20, 2009

Margaret


Sonhei contigo, Margaret. Já não pensava em ti há tanto tempo. Acho que de por tanto tempo dividirmos o mesmo homem acabei por te amar também a ti, como mulher. Tantas noites partilhámos a mesma cama, os mesmos gritos de prazer, as mesmas súplicas, o mesmo desespero, o mesmo êxtase, os mesmos sonhos inseguros, os mesmos sorrisos com o medo que os tivéssemos a roubar uma à outra. Amei-te, sim, Margaret. E não te consigo esquecer.


Lembras-te de quando lhe pedias para não parar e ele te dizia que eras perversa e tu o espremias entre as coxas torturando-o de prazer? Amei-te tanto como te odiei nessas noites e naqueles orgasmos que ele me deu sei que também eram teus e tinha raiva e ódio de mim, de ti, dele, de nós os três. Raiva e prazer nesses orgasmos.Queria-o tanto [só] para mim e tu [só] para ti, mas ele era nosso Margaret, era nosso. E nós a duas éramos [só] dele, as duas, [sós] para dele.


Aquele olhar enfeitiçado, embevecido quando me[te][nos] olhava era capaz de num segundo levar o meu[teu][nosso] mundo à perdição outras ao Paraíso. Lembro-me de como ficava todo vaidoso quando nos levava a um bar e nos embonecávamos todas, tentando equilibrar o nosso glamour entre saltos altos que se prendiam nos paralelos das ruas estreitas. Ele tentava caminhar mais devagar ou ia olhando de soslaio por trás dos nossos ombros para logo se perder, maravilhado, a olhar para a forma como as nossas nádegas se passeavam sublimemente ao som dessa música de clock, clock, clock...


Às vezes acho que ficava um pouco indeciso. Não entre nós as duas, mas entre o ondular dos nossos peitos e o das nossas nádegas. E parava. Sorria meio atrapalhado, e muito decidido colocava a mão direita na mama esquerda e a mão esquerda na nádega direita. E via-se feliz.Ele era feliz connosco, Margaret. E nós matámos este amor tentando separar metade dele para cada uma de nós. Matámo-lo Margaret. E agora ele já não é nosso, não é teu, não é meu, não é seu. Morreu, como uma flor arrancada da terra. E agora somos só[s] nós.


Ver também nesta Sequência de Contos, Edna e Leila

Pic: Geometry of relations by eugenebuzuk

9 comentários:

APC disse...

Adorava ver-te publicar..

nOgS disse...

;)
Também eu... achas que conseguiria se tentasse?

diana disse...

O teu blog está cada vez melhor.

Å®t Øf £övë disse...

Nogs,
Deixaste-me sem palavras. Nem imaginas como este teu texto me tocou.
Beijinhos.

MSL disse...

Alto blogue mesmo...

nOgS disse...

Diana,
Obrigada;)

Art,
sinto-me lisonjeada.

MSL,
;)
Gosto que gostes:P

Rafeiro Perfumado disse...

Depois de ver a foto, também eu vou sonhar com elas. E com a Margret, ou lá como ela se chamava.

Quanto ao conseguires publicar, se não tentares ficarás sempre na dúvida. Não sejas bimba e arrisca, pá.

Beijo!

MSL disse...

Amor, publica isto... tu consegueeeeeeeeeeees. Força :)

Fada disse...

Fabuloso!!!! :D

beijitos :)